Descubra o seu eu interior

Identifique feridas do passado

Ressignifique sentimentos

Ganhe autonomia nas suas decisões

Descubra o seu eu interior

Identifique feridas do passado

Ressignifique sentimentos

Ganhe autonomia nas suas decisões

Por que terapia?

Até você se tornar consciente, o inconsciente irá dirigir sua vida e você irá chamá-lo de destino!

– Carl Jung

Quando percorremos o caminho do autoconhecimento, nos deparamos com nossos aspectos sombrios, trazendo a tona os medos, inseguranças e aspectos da criança ferida que há em nós e que muitas vezes dificulta nossos relacionamentos.

Abrindo nossa visão, nos aproximamos de nossa essência e levamos luz para nosso inconsciente. Deste esclarecimento, seremos capazes de desenvolver verdadeiro sentimento de gratidão e bem aventurança.

O autoconhecimento nos fortalece e nos prepara para o futuro com confiança, alegria, transparência e nos ensina o caminho do coração. Conhecer a si mesmo traz liberdade com responsabilidade, acesso a sua verdadeira essência e segurança para lidar com as adversidades da vida.

Ao psicólogo não cabe julgar, mas acolher e compreender o que é trazido pelo paciente, facilitando-lhe o processo de autoconhecimento e de emancipação do seu próprio sofrimento.

Por que terapia?

Até você se tornar consciente, o inconsciente irá dirigir sua vida e você irá chamá-lo de destino!

– Carl Jung

Quando percorremos o caminho do autoconhecimento, nos deparamos com nossos aspectos sombrios, trazendo a tona os medos, inseguranças e aspectos da criança ferida que há em nós e que muitas vezes dificulta nossos relacionamentos.

Abrindo nossa visão, nos aproximamos de nossa essência e levamos luz para nosso inconsciente. Deste esclarecimento, seremos capazes de desenvolver verdadeiro sentimento de gratidão e bem aventurança.

O autoconhecimento nos fortalece e nos prepara para o futuro com confiança, alegria, transparência e nos ensina o caminho do coração. Conhecer a si mesmo traz liberdade com responsabilidade, acesso a sua verdadeira essência e segurança para lidar com as adversidades da vida.

Ao psicólogo não cabe julgar, mas acolher e compreender o que é trazido pelo paciente, facilitando-lhe o processo de autoconhecimento e de emancipação do seu próprio sofrimento.

“A vida é um eco. Se você não está gostando do que está recebendo, observe o que está emitindo”
– Buda

Juliana Sato

CRP 06/77653

Psicóloga formada pela Universidade Presbiteriana Mackenzie

Formação em Coaching e Self-Coaching pelo Método Isor

Formação em Health e Wellness Coaching pelo Método 360º

Formação em Psicologia das Emergências e Desastres

Especialista em Transtornos Alimentares pela Unifesp

Especialista em Abordagem Junguiana pelo Cogeae/PUC

Co-autora do livro Transtornos Alimentares: uma visão gestáltica

Formação em Facilitação de Meditação pela Unifesp

Juliana Sato

CRP 06/77653

Psicóloga formada pela Universidade Presbiteriana Mackenzie

Formação em Coaching e Self-Coaching pelo Método Isor

Formação em Health e Wellness Coaching pelo Método 360º

Especialista em Transtornos Alimentares pela Unifesp

Especialista em Abordagem Junguiana pelo Cogeae/PUC

Co-autora do livro Transtornos Alimentares: uma visão gestáltica

Formação em Facilitação de Meditação pela Unifesp

Especialidades

Quais áreas da sua vida estão precisando de atenção?

Permita-se embarcar nesse caminho de autoconhecimento e cura.

Meditação Guiada

Meditação ou Terapia? Por que não ambas?

Aprenda a focar no momento presente e a valorizar cada instante.

A meditação e a psicoterapia são processos perfeitamente compatíveis, que podem nos auxiliar de forma complementar rumo a um maior equilíbrio, dinamizando processos psíquicos, amenizando a intensidade de traumas emocionais, integrando aspectos psicológicos e estimulando a capacidade de atenção.⠀

Normalmente, pessoas com o hábito de meditar compartilham do interesse em desenvolver a auto-observação e autoconhecimento, de forma a se tornarem mais aptas a encarar mudanças e transcender valores egoicos – ou seja, características promissoras também à abordagem psicoterápica. ⠀

É importante compreender que a meditação em si não é exatamente uma técnica ou uma ação, mas um estado de espírito. Ou seja, é preciso permitir que seus efeitos se estendam aos momentos fora da prática meditativa. A partir daí, uma nova janela se abre, possibilitando um melhor alinhamento com a própria essência e objetivos dentro e fora do consultório.⠀

Ao compreendê-la como uma alternativa de acesso ao inconsciente, paralelo, mas não concorrente aos mecanismos psicoterápicos, é possível trilhar ambos os caminhos em complementação mútua, enriquecendo o processo como um todo.⠀

Se quiser saber mais sobre o tema, não deixe de ouvir o meu podcast, o VibeZen Cast, onde você encontra diversas meditações guiadas que também podem acrescentar nesse seu processo de autoconhecimento.

Gratidão, namastê!

CONHEÇA O VIBEZENCAST

Blog

Mantenha-se atualizado!

Aqui você encontra artigos, matérias e novidades que o ajudarão a se tornar uma pessoa cada vez melhor e mais feliz.
Lado B: a maternidade real e seus impactos psicológicos

Desde a gestação, a mulher passa por profundas transformações metabólicas, físicas e psicológicas. A expectativa de estar gerando um novo…

Um símbolo quebrado: as mães narcisistas

O termo narcisismo, além de ser usado para definir uma personalidade, pode também indicar um transtorno, o qual afeta negativamente…

Saiba equilibrar sua saúde mental no trabalho

Cultivar a saúde mental já virou premissa para uma vida com maior qualidade, felicidade e tranquilidade. E se engana quem acha que esses cuidados se restringem apenas aos hábitos dentro de casa: eles também precisam existir no seu ambiente de trabalho. Você já pensou sobre isso?

Abir Chat